Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

arte e beleza a serviço da liturgia

Painel do Tempo Comum

Tempo Litúrgico – Tempo Comum

[vc_row][vc_column][vc_column_text]O Tempo Comum começa no dia seguinte à festa do batismo do Senhor e vai até a terça-feira de carnaval; recomeça na segunda-feira depois do domingo de Pentecostes e termina no sábado anterior ao 1º Domingo do Advento. Dividido nestes dois blocos, tem a duração de 33 ou 34 domingos. Nele, somos convidados a celebrar, não um acontecimento especial de nossa salvação, mas todo o mistério de Cristo em sua plenitude e globalidade. O fato de se denominar “comum” não significa menos importante. Aliás, antes mesmo de se organizarem as festas anuais, com seus tempos de preparação e prolongamento, a Igreja já celebrava a cada domingo a Páscoa de Jesus. Todo culto tinha uma forte dimensão de expectativa da vinda do Senhor. Quando mais tarde se organizaram os ciclos da Páscoa e do Natal, era para celebrar com mais intensidade, num tempo determinado, o que já fazia parte do cotidiano das comunidades.

Nos domingos do Tempo Comum, o mistério da Páscoa do Senhor nos é revelado pelo cotidiano de sua vida: suas palavras, ensinamentos, trabalhos, amizades, sonhos, conflitos e desafios. Os primeiros têm uma ligação maior com o mistério da Epifania e nos convidam a adorar o Senhor que se manifesta, anunciando a sua missão e chamando os primeiros discípulos. Nos outros domingos, fazemos memória dos fatos que marcaram a missão de Jesus. Os últimos domingos acentuam a dimensão escatológica do reino e nos renovam na esperança da vinda do Senhor.

Em alguns domingos, a memória da missão de Jesus cede espaço à celebração de algum mistério da vida do Senhor, de Maria e dos Santos, como é o caso do domingo da Santíssima Trindade, de Pedro e Paulo, da Assunção de Maria, da festa de Todos os Santos ou, quando coincidem com o domingo, as festas de Apresentação e da Transfiguração do Senhor, a Natividade de João Batista, a Exaltação da Santa Cruz, Nossa Senhora Aparecida e a memória dos fiéis falecidos.

O Tempo Comum é longo e as expressões litúrgicas são mais discretas, se comparados aos tempos especiais. Por isso, os ritos devem ser revestidos de permanente autenticidade para poderem ter força de novidade. Trata-se de prolongar ao longo do ano litúrgico a ternura da festa pascal, de modo que a Páscoa possa unificar todas as celebrações do ano numa mesma experiência mística do coração. “Esta tarefa, de impregnar de Páscoa o ano inteiro, é mais difícil do que fazer a própria festa anual.” Mas pouco adiantaria festejar com exuberância uma vez por ano se o resto dos dias fossem sem graça e vazios.

Algumas comunidades têm procurado retomar elementos da festa anual que expressem a alegria pascal, como o círio, a aspersão com água no lugar do ato penitencial, o uso do incenso, o canto do aleluia. O Ofício Divino das Comunidades valorizou o ofício de vigília, no sábado à noite, com o rito do lucernário. Esta vigília retoma a cada semana o ambiente e o conteúdo da vigília pascal, sem repetir o que lhe é próprio.

É importante ligar a celebração semanal da Páscoa aos apelos que vêm da vida, seja da religiosidade popular, da pastoral das Igrejas, das lutas pela libertação ou da preocupação com a paz mundial.

As festas dos santos queridos do povo, como os santos de julho, a devoção de Maria, no mês de maio, ou o respeito à memória dos mortos, em finados, podem ser unidas à celebração do domingo, por meio de uma prece ou da lembrança na recordação da vida ou de um canto, ligando-a ao mistério pascal de Cristo.

Da mesma forma, os apelos da pastoral das Igrejas – uma assembleia de pastoral, uma campanha de evangelização ou um mês temático – poderiam ecoar mais fortemente, se inseridos na dinâmica da celebração dominical. O costume de, em muitos lugares, dedicar o mês de agosto às vocações poderia ser celebrado mediante um rito como a renovação do batismo, fonte de toda consagração e vocação. O mês de setembro, mês da Bíblia, pode ser momento propício para a comunidade desenvolver algum gesto ou rito que eduque para uma relação familiar com a Palavra e que seja assumido em todos os domingos: colocar a Bíblia em uma estante especial, cantar o Evangelho ou proclamá-lo entre velas acesas ou, se for de noite, acompanhado de velas acesas nas mãos das pessoas; a assembleia pode aproximar-se da estante; conduzir o livro em procissão e incensá-lo; passar o livro de mão em mão pela grande assembleia. No mês das missões, outubro, entrando em comunhão com aqueles e aquelas que, no mundo inteiro, dão testemunho do Evangelho, podem ser valorizadas as preces dos fiéis e o rito da bênção e do nos dá, na cidade e no campo, dentro ou fora do País.

A caminhada de libertação dos pobres, as lutas dos movimentos sociais por terra, pão, trabalho e educação, a busca da justiça, dos direitos humanos e da paz constituem momentos densos da Páscoa de Cristo na Páscoa do povo e que, por isso mesmo, pedem um espaço na celebração semanal. Assim, a memória dos mártires pode ser lembrada, trazendo, na procissão de entrada, um retrato seu; o dia do lavrador será marcado pelo toque da terra, pela memória das lutas e pelas bênçãos das sementes; a bandeira da paz será trazida solenemente e tocada por todos para pedir o fim da violência neste ou naquele lugar.[/vc_column_text][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][CleverProductsListCategoryTabs show_filter=”” filter_categories=”Array” default_category=”paineis” product_ids=”15808, 15807, 15806, 15804, 10176, 10167″ asset_type=”latest” posts_per_page=”6″ order=”asc” col_xl=”2″ col_lg=”2″ col_md=”2″ col_sm=”1″ col=”1″][/vc_column][/vc_row][vc_row full_width=”stretch_row_content”][vc_column][vc_custom_heading text=”Painéis Apostolado Litúrgico” use_theme_fonts=”yes”][CleverProductCarousel border_after_width=”90″ filter_categories=”paineis” product_ids=”10150, 15811″ asset_type=”latest” order=”asc” posts_per_page=”6″ custom_carousel=”1″ col_xl=”5″ col_lg=”4″ col_md=”3″ col_sm=”1″ col=”1″ show_pag=”” show_nav=”1″ autoplay=”1″ speed=”5000″ scroll=”1″][/vc_column][/vc_row]

Autor desta publicação

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Você pode gostar também

Origem da batina

Na bíblia, podemos encontrar muitas passagens com referências a vestes e tecidos usados para confeccioná-las. Vemos, por exemplo, no primeiro livro de Samuel 2,18: “Samuel, prestava serviço diante de Javé,

Leia mais
Sem categoria

Túnica

Historicamente, a túnica, sofreu notáveis modificações ao longo dos séculos, até ser conhecida como é hoje. Povos como os Etruscos, Oscos, Gregos e os antigos Romanos, indicavam com o termo

Leia mais
Apostolado Litúrgico Brasil

Nossa Missão

Viver e comunicar Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, com o ministério da oração e do serviço promovendo a formação litúrgica e artística, a fim de que a comunidade humana viva, reze e celebre na dignidade e na beleza e chegue a plena comunhão com Deus, com os outros e com a criação (cf. RV 143).

coleções

apostolado litúrgico

Commercial delivery

Produtos

vestuário