arte e beleza a serviço da liturgia

O Espírito que foi dado na liturgia

Pentecostes, inda do Espírito Santo

[vc_row][vc_column][vc_column_text]São Basílio Magno, sem pudor, afirma, em seu tratado sobre o Espírito Santo, que esse sublime bem foi dado para a divinização da humanidade: “d’ele procede, enfim, o bem mais sublime que se pode desejar: tornar-se o homem Deus”.1 Para além das riquezas de ambas tradições, a deificação, como tema, remete a presente análise ao relato bíblico das origens, onde a serpente tenta Adão e Eva com a proposta de, comendo o fruto proibido, tornarem-se divinos (cf. Gn 3,1-13). Falar sem peias sobre a deificação do ser-humano operada pelo Espírito sempre foi mais confortável para a teologia oriental, habituada a uma abordagem mais pneumatológica da liturgia, enquanto no ocidente, o hábito foi focar uma abordagem mais cristológica.2 A divinização, outrora usurpada pelo primitivo casal, é ofertada pela ação do Espírito Santo que opera na liturgia, entretanto, ainda como “autor anônimo” do “bem mais sublime”:

Pelo Espírito Santo se nos concede de novo a entrada no Paraíso, a ascensão ao Reino dos Céus, o retorno à adoção de filhos. Por ele se nos dá a confiança de chamar a Deus nosso Pai, de participar da graça de Cristo, de sermos chamados filhos da luz, de tomar parte na glória eterna, numa palavra, de receber a plenitude de todas as bênçãos, tanto na vida presente como na vida futura, e de poder contemplar, como num espelho, como se já estivessem presentes, os bens que em promessa nos estão destinados e que pela fé esperamos vir a usufruir.

Contudo, ainda que jorre tão grande sabedoria das fontes patrísticas, continua presente, na prática pastoral e teológica, um “déficit pneumatológico”, no sentido de se considerar pouco, quiçá compreender pouco, a função do Espírito Santo na liturgia e na vida cristã. Segundo afirma Paul De Clerck, “esta negligência entorno do dom do Espírito e sua obra é um traço característico do catolicismo ocidental, que se reconhece, cada vez mais, como uma lacuna. Pois, se os sacramentos nos vêm de Cristo, sua celebração atual é fecundada pelo Espírito”.

Fonte: Revisa de Liturgia Edição 261, página 11.[/vc_column_text][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][vc_custom_heading text=”Você pode gostar também…” font_container=”tag:h1|text_align:left” use_theme_fonts=”yes”][/vc_column][/vc_row][vc_row][vc_column][CleverProductsListCategoryTabs show_filter=”” filter_categories=”Array” default_category=”espirito-santo” asset_type=”best-selling” posts_per_page=”15″ orderby=”rand” col_xl=”5″ col_lg=”4″ col_md=”3″ col_sm=”2″ col=”1″][vc_empty_space][/vc_column][/vc_row]

Autor desta publicação

Você pode gostar também.

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe uma resposta

Apostolado Litúrgico Brasil

Nossa Missão

Viver e comunicar Jesus Mestre, Caminho, Verdade e Vida, com o ministério da oração e do serviço promovendo a formação litúrgica e artística, a fim de que a comunidade humana viva, reze e celebre na dignidade e na beleza e chegue a plena comunhão com Deus, com os outros e com a criação (cf. RV 143).

Não encontrou o que estava procurando?

Fale conosco. Nós te ajudaremos!