Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

Logotipo Apostolado Litúrgico
Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

arte e beleza a serviço da liturgia

Vestes, por quê?

A roupa que usamos imprime em nós uma marca. Expressa o que somos e, ao mesmo tempo, marca o nosso corpo, a nossa alma, o nosso espírito! A veste tem a ver com a nossa identidade. Nos ajuda a assumi-la. Geralmente quando ganhamos uma roupa de presente, as pessoas dizem: “Comprei esta porque era a sua ‘cara’”.

Cada cultura é identificada pelo modo de vestir. Pela veste sabemos a que povo, religião ou grupo tal pessoa pertence, mesmo que em algumas culturas a ‘veste’ possa ser reduzida a uma pintura no próprio corpo.

Tratando-se da veste nas celebrações religiosas, constatamos dois estágios: primeiramente, o costume do uso de vestes comuns, que me nada se diferenciam das usadas no cotidiano, que tem como única exigência a praticidade-funcionalidade. Mas há também um outro costume que é o de preferir vestes que apresentam certa beleza e nobreza, com arte e decoração, expressando a importância do ato de celebrar.

A veste litúrgica do ministro (a) leigo (a)

A renovação litúrgica realizado pelo Vaticano II introduziu um novo dado na história da liturgia: os batizados, leigos e leigas, começaram a desempenhar um verdadeiro ministério litúrgico e a tomar lugar no espaço chamado presbitério, que no entender da tradição romana é o lugar ocupado por ministros (as), que na celebração estão a serviço da assembleia. Nos últimos anos, muitos ministérios litúrgicos foram nascendo nas comunidades: o ministério da presidência dominical da Palavra, do batismo, testemunhas qualificadas do matrimônio, leitores, salmistas… Por isso, diversas comunidades introduziram o uso das vestes para estes serviços. A opção pela veste é uma questão de comunicação e sacramentalidade, próprias de qualquer ação litúrgica.

Os (as) ministros (as) usam as vestes não como símbolo de poder ou para impor “respeito”, mas como sinal do serviço que assumem a favor da comunidade celebrante. Colocar uma veste para exercer qualquer ministério significa revestir-se do Cristo em seu amor e sua doação: “Então Jesus se levantou da mesa, pegou uma toalha e amarrou-a na cintura e lavou os pés dos discípulos” (cf. João 13,4-5).

O uso das vestes contribuem para que a celebração seja realmente festiva. Festa para os olhos, para o coração, na alegria de quem compartilha com os irmãos e irmãs, os dons gratuitamente recebidos do Pai. Alegria pela presença do Ressuscitado no meio da comunidade, mesmo em meio a tantos sofrimentos e miséria.


Que tipo de veste usar?

A Sacrossanctum Concilium incentivou uma liturgia mais de acordo com os costumes, a cultura, o jeito de cada povo (cf. nº 37-38). A Igreja do Brasil, buscando uma sadia inculturação, procurou dar às celebrações um tom mais brasileiro, seja através dos gestos, das palavras, do espaço, das cores, da dança, do canto e também das vestes.

A veste litúrgica já em si é simbólica, e isso é garantido pelo conjunto dos seus detalhes: o tecido, o modelo, a cor, a simplicidade… “Convém que a beleza e nobreza de cada vestimenta decorram não tanto da multiplicidade de ornatos, mas do tecido e da forma…” (IGMR, n. 306).

O Apostolado Litúrgico, colhendo as experiências de mutas comunidades que adotaram a veste para ministros (as) leigos (as) e levando em conta os critérios mencionados acima, propôs alguns modelos:

  • Veste em estilo poncho em sua forma original(retangular, que é derivado do quadrado).
  • Veste em estilo poncho, em forma arredondada.
  • Veste em estilo bata, com manga raglan.
  • Veste em estilo bata, com manga larga.Todas com aplicação de tecido decorativo (afro, indígena, galões dourados e outros), que enfatiza e realça o modelo.

A forma das vestes

O quadrado – A forma quadrada lembra a materialização do espaço, os limites do criado, da terra, do “aqui”. É o sentido de locomoção, movimento… Cruz e quadrado formam o número quatro, os pontos cardeais, que para a cultura indígena são os quatro rumos cósmicos.

O círculo – a ideia da circularidade sempre esteve ligada à perfeição. Talvez porque a melhor imagem geométrica do universo tenha sido precisamente a esférica. O lugar sem começo e sem fim. o Espaço da harmonia e da unidade.

O círculo e o quadrado – Infinito e finito, ilimitado e limitado… Uma pessoa bem proporcionada com as pernas e braços estendidos, cabe nas figuras geométricas mais perfeitas: círculo e quadrado.

Quando celebramos, todo o nosso ser se liga a essa realidade cósmica e cultural. O mundo e tudo o que ele contém torna-se simbólico-sacramental, ou seja, uma realidade impregnada de Deus, por que dele nascem e são habitadas pela sua presença. Tudo o que vivi e respira revela-se como epifania – manifestação de Deus – e ao mesmo tempo é renovado com o sopro divino expressando a vida como graça… “E na terra de novo soprará aquela brisa da criação. Fecunda… Fecunda… Fecunda. Fazendo renascer, recriadas todas as coisas… e proclamaremos felizes: O reino de Deus chegou”!

Texto: Ir. Silde Coldebella, pddm e Ir. Veronice Fernandes, pddm

Autor desta publicação

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Você pode gostar também

Sem categoria

Casula evangelistas

No livro do Apocalipse (4,7-9) , fala-se de quatro seres vivos que cercam o trono do Deus Altíssimo: o primeiro ser vivo tinha aspecto de leão, o segundo, de touro,

Leia mais
Sem categoria

O uso do incenso na oração

O que é? O incenso é uma resina de perfume agradável, extraída de certas árvores. É queimado sobre brasa para produzir fumaça e perfume. Às vezes o cheiro do incenso

Leia mais

sobre nós

coleções

pagar

Login

Não encontrou o que estava procurando?

Deixe sua mensagem no formulário e em breve entraremos em contato para te ajudar.

coleções

apostolado litúrgico

Commercial delivery

Produtos

vestuário