Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

Logotipo Apostolado Litúrgico
Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

arte e beleza a serviço da liturgia

Neemias e Esdras

Esdras–Neemias trazem relatos sobre o retorno dos exilados e da reconstrução de Jerusalém e do templo, assim como a formação da nova comunidade e as condições de pertença a esta comunidade. Oferecem a possibilidade de acompanhar o nascimento do judaísmo étnico-religioso, rigorosamente segregado. Esse projeto, porém, encontrou resistência como evidenciam os livros de Rute e de Jonas, que surgiram no mesmo período de Esdras e Neemias e contestam a intolerância aos estrangeiros.

O calendário popular lembra Esdras e Neemias no dia 12 de julho. A leitura proposta – Neemias 8,9-10 – apresenta a comunidade reunida em torno da Palavra, renovando o compromisso com os mandamentos que se concretizam na partilha solidária. Trata-se de uma celebração festiva, que se manifesta por meio da alegria e alimentos compartilhados com os mais necessitados. “Façam uma boa refeição e repartam com os que não têm nada”, porque hoje é dia consagrado ao nosso Deus! Não vos aflijais, pois “a alegria do Senhor é a vossa fortaleza!” A alegria é sinal da salvação, testemunhada na adesão à Palavra de Deus que proporciona construir uma nova comunidade centrada na justiça e fraternidade.

“Neemias e Esdras foram enviados pelo Império Persa entre 450 e 400 a.C. para reorganizar e fortalecer a Judeia, região que fazia limite com o Egito. Sobretudo para conter o avanço de egípcios e gregos, foi preciso instalar guarnições militares e fortalecer as cidades de apoio no corredor siro-palestinense. A cidade de Jerusalém, com seu templo, consolidou-se como o centro do poder sociopolítico. O sistema do templo, com a lei do puro e do impuro, foi reforçado. O templo e a lei tornaram-se os principais mecanismos de arrecadação de tributos para a manutenção da teocracia de Jerusalém, que repassava uma parte da arrecadação ao Império Persa.”

 “O Império Persa, que desde 538 a.C. dava liberdade religiosa aos povos dominados, garantindo a submissão política e o tributo, transformou a Judeia em província do império, numa teocracia com o templo e a Torá. Jerusalém tornou-se o centro religioso e administrativo, explorando e oprimindo o “povo da terra”, a população rural que permanecera na Palestina durante o exílio (Is 56,10–57,2; 58,1-7)”.  Cf. A Lei a favor da vida? Entendendo o Livro do Deuteronômio.

Entre os anos 450-400 a.C., os sacerdotes, organizados a partir do novo templo, serão confirmados como intermediários entre o povo e o Império Persa e, com a transformação da Judeia em uma província persa, irão exercer o poder em nome de Deus. Esse governo teocrático irá impor nova concepção de Deus, do povo de Deus e do pecado. Javé agora será considerado Deus único e universal (Dt 4,39; 1Rs 8,60). Passará a ser chamado de “Deus dos céus” (Esd 1,2; 5,11; 7,12.21; Ne 1,2.4.5; 2,4.20; Jn 1,9) ou “Deus Altíssimo” (Dn 4,2.17.24; Sl 57,2; 73,11; 77,10 etc.), e considerado um Deus sagradíssimo e puríssimo, distante e separado do mundo impuro e pecador dos humanos” (Luiz José Dietrich/Rafael Rodrigues da Silva. Em busca da Palavra de Deus: uma leitura do Deuteronômio).

  Os livros de Esdras e de Neemias foram compilados pelo fim do IV século a.C. e originalmente formavam uma só obra. Os acontecimentos mencionados nos livros de Esdras e Neemias se referem a um período de mais de cem anos, integrados num quadro geral da reorganização de Israel depois do exílio na Babilônia. Esdras–Neemias trazem relatos sobre o retorno dos exilados e da reconstrução de Jerusalém e do templo, assim como a formação da nova comunidade e as condições de pertença a esta comunidade. Oferecem a possibilidade de acompanhar o nascimento do judaísmo étnico-religioso, rigorosamente segregado. Esse projeto, porém, encontrou resistência como evidenciam os livros de Rute e de Jonas, que surgiram no mesmo período de Esdras e Neemias e contestam a intolerância aos estrangeiros.

Esd 1–2: Retorno dos primeiros grupos de exilados.

Esd 3–6: Reconstrução do templo com o apoio do Império Persa e restauração do culto e festas religiosas.  O segundo templo de Jerusalém foi inaugurado em 515 a.C., no período do rei Dario.

Esd 7–10: Reforma religiosa, proibição dos casamentos com mulheres estrangeiras, questões raciais.

Ne 1,1–7,4: Edificação do muro da cidade contra resistências.

Ne 7,5–10,40: Compromisso com a Lei, aliança. Assembleia, proclamação da Palavra na festa das Tendas (Ne 8) com a finalidade de unir os diferentes grupos da comunidade: os repatriados e os que continuaram no país. Renovação da aliança.

Ne 11–13: Repovoamento de Jerusalém e de Judá. Dedicação das muralhas de Jerusalém. Nova proibição dos casamentos mistos, sendo que a preocupação aqui é mais para preservar a identidade cultural da comunidade.

Neemias enfrentou conflitos e a questão da injustiça social, durante o tempo em que foi governador. Os empobrecidos denunciavam a situação: “Tivemos de pedir dinheiro emprestado, penhorando nossos campos e vinhas, para podermos pagar os impostos ao rei” (Ne 5,4). O clamor profético dos pobres, dos endividados e escravizados levou Neemias a promover algumas reformas a fim de assegurar alimentos e terra para trabalhar e viver com dignidade (Ne 5,1-19; cf. Am 2,6; 8,6; Is 50,1; Dt 15), evitando assim a instabilidade na região.  

Esdras contribuiu para organizar a religião da comunidade em torno da Torá (= Lei/Instrução), o atual Pentateuco – que teve sua redação concluída por volta de 400 a.C. A identidade comunitária, centrada na Palavra, une os repatriados e os que haviam permanecido na terra da Judeia. O estudo e a interpretação da Torá favoreceram o entendimento e o acesso da Bíblia ao povo. “Esdras leu o livro da Lei de Deus, traduzindo e explicando o seu sentido: assim podia-se compreender a leitura (Ne 8,8). Nascia, então, a atividade principal e mais antiga ligada ao estudo da Escritura: Ler, explicar, interpretar e atualizar a Palavra de Deus para o povo” (Sylvia Villac/Donizete Scardelai. Introdução ao Primeiro Testamento).

“Um texto de Esdras-Neemias é particularmente importante para a compreensão do Antigo Testamento. Falo de Ne 8, a leitura pública da Torá por parte do escriba Esdras e de Neemias durante a festa das Tendas. O relato de Ne 8 deve ser lido em continuidade com 2Rs 22–23, no qual se narra a descoberta da Torá no tempo do reino de Josias. Outro texto essencial é Ex 24,3-8, no qual somos informados sobre a origem do livro da Torá. É sobre a base das palavras escritas no livro e proclamadas diante de todo o povo que o Senhor conclui uma aliança solene. Trata-se do mesmo livro que encontramos nas mãos de Josué (1,7-8) e naquele do justo do Sl 1. Percebe-se em todos os textos a mesma vontade de afirmar que a identidade de Israel está ligada, num modo privilegiado, ao livro da Torá” (cf. Jean-Louis Ska. O Antigo Testamento).

            A partir do Concílio Vaticano II multiplicaram-se as iniciativas para “que os fiéis tenham amplo acesso à Sagrada Escritura” (Dei Verbum 22). Com a “animação bíblica da pastoral inteira” (Verbum Domini 73), a Palavra de Deus continuará guiando a vida cristã nas celebrações e na ação evangelizadora.  Mas é preciso fomentar a leitura orante da Palavra, que converte, liberta e salva: “A Palavra que sai de minha boca não voltará para mim sem efeito, sem ter cumprido com sucesso a missão para a qual eu a enviei” (Is 55,11).

Irmã Helena Ghiggi, da congregação Discípulas do Divino Mestre.

Autor desta publicação

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Você pode gostar também

Sem categoria

Casula evangelistas

No livro do Apocalipse (4,7-9) , fala-se de quatro seres vivos que cercam o trono do Deus Altíssimo: o primeiro ser vivo tinha aspecto de leão, o segundo, de touro,

Leia mais
Sem categoria

O uso do incenso na oração

O que é? O incenso é uma resina de perfume agradável, extraída de certas árvores. É queimado sobre brasa para produzir fumaça e perfume. Às vezes o cheiro do incenso

Leia mais

sobre nós

coleções

pagar

Login

Não encontrou o que estava procurando?

Deixe sua mensagem no formulário e em breve entraremos em contato para te ajudar.

coleções

apostolado litúrgico

Commercial delivery

Produtos

vestuário