Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

Logotipo Apostolado Litúrgico
Carrinho (0) Fechar

No products in the cart.

arte e beleza a serviço da liturgia

Ezequiel: o profeta da esperança

O profeta Ezequiel, cujo nome significa “que Deus fortaleça”, é recordado no dia 23 de julho pelo calendário popular. Ele pertencia a uma tradição sacerdotal, e talvez tenha atuado no templo de Jerusalém antes do exílio babilônico.

O profeta Ezequiel, cujo nome significa “que Deus fortaleça”, é recordado no dia 23 de julho pelo calendário popular. Ele pertencia a uma tradição sacerdotal, e talvez tenha atuado no templo de Jerusalém antes do exílio babilônico. Ezequiel foi levado à Babilônia na primeira deportação em 597 a.C., com as principais lideranças do povo (2Rs 24,15-16). Junto aos exilados às margens do rio Cobar, afluente do Eufrates no atual Iraque, Ezequiel descreve a experiência do encontro com Deus, que não abandona o povo sofrido (1,1ss). A profecia de Ezequiel, situada entre os anos 593–571 a.C., na Babilônia, ajuda a manter viva a esperança dos exilados.

A primeira parte do livro, atribuído a Ezequiel, explica principalmente por que Israel passou pela catástrofe do exílio (1–24). A cidade de Jerusalém e o templo foram destruídos em 587 a.C., quando houve a segunda deportação. O exílio gerou uma profunda crise de identidade no povo. Pregador de julgamento diante de “corações endurecidos” (2,3ss), o profeta Ezequiel encontra-se agora frente a um povo desanimado – “nossos ossos estão secos, nossa esperança acabou, estamos perdidos” (37,11) – ao qual deve motivar com uma mensagem de esperança. Na última parte do livro de Ezequiel (33–48) renasce a esperança de salvação, sobretudo na visão de um novo templo em Jerusalém (40–48).  O profeta mostra o caminho da conversão, que consiste na volta a Deus e à comunidade restaurada em Jerusalém.

“Ezequiel acreditava que Deus iria agir depondo as autoridades e ocuparia o seu lugar. Um novo Davi assumiria a sua representação na terra (34; 45,8). O Senhor julgaria o seu povo (39,21-29). O ‘Dia do Senhor’ seria de ira (22,24). Por fim, Ezequiel propôs, como solução para tantos problemas, a purificação do povo e o consequente recebimento de um novo coração e um novo espírito (11,19). Ezequiel confiava que a intervenção do Senhor criaria um novo céu e uma nova terra, daria ao ser humano um coração novo, poria o seu Espírito no íntimo de cada um, e uma ‘Nova Aliança’ seria feita com o povo (36,26-28). Nisso estava sua esperança” (Jacir de Freitas Faria. Profetas e Profetisas na Bíblia, Paulinas).

Passagens importantes no Livro do profeta Ezequiel

Ez 1–3: Vocação profética de Ezequiel e visão da glória de Deus – Os quatro animais se tornaram no cristianismo primitivo, os símbolos dos quatro evangelistas: o homem representa Mateus, o leão Marcos, o touro Lucas e a águia João (1,4ss; 10; Ap 4,6-8).

Ez 18: Responsabilidade pessoal. O exílio não é castigo de Deus, mas exige a prática da justiça e da solidariedade (Is 58,6-8) a fim de transformar as situações de morte em vida digna para todos.

Ez 33,1-20: A missão do profeta como sentinela do povo.

Ez 34,11-16: Deus como o pastor do povo para oferecer vida em abundância, frente a uma realidade de pastores que “roubam, matam e destroem” (Jo 10,10).

Ez 36,16-32: O dom de Deus de um coração novo e de um novo espírito.

Ez 37,1-14: Nova esperança que faz reviver ossos mortos.

Ez 47,1-12: A fonte do templo, doadora de vida.

“Em meio à tirania do império opressor, o Segundo Isaías (40–55), por volta do ano 550 a.C. propõe a liderança do servo exercida por um grupo (42,1; 43,20; 45,4). Todos os membros da comunidade são responsáveis pelo serviço da justiça. O grupo coloca Deus se dirigindo ao servo: “Eu, Javé, chamei você para a justiça, tomei-o pela mão, e lhe dei forma, e o coloquei como aliança de um povo e luz para as nações” (42,6). Deus quer que o seu povo assuma uma nova liderança. O novo jeito de agir passa pela defesa da vida ameaçada, é um caminho feito na pequenez e na fragilidade, com as pessoas enfraquecidas e desanimadas. O primeiro cântico do servo (42,1-9) apresenta a maneira solidária e amorosa de agir do servo, oposta à do rei, sem o uso do poder nem da violência. As consequências da prática da justiça na vida do servo são descritas nos outros cânticos: 49,1-7; 50,4-11; 52,13–53,12” (Vida Pastoral, Setembro-Outubro de 2004).

“Lá na beira dos rios da Babilônia nos sentamos a chorar. As saudades de Sião, seu amor a recordar! Nos salgueiros plantados ali por perto, penduramos os violões. O opressor, de tão esperto, exigia ouvir canções”. Salmo 137 (136) lembra o lamento dos exilados na Babilônia, longe de Jerusalém e das liturgias em sua terra natal. O silêncio dos cantores, com as cítaras penduradas, representava a esperança do povo de voltar a cantar os cânticos que celebram o êxodo e a liberdade.   

Irmã Helena Ghiggi, da congregação Discípulas do Divino Mestre.

Autor desta publicação

Gostou do conteúdo? Comente e compartilhe.

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on pinterest
Share on skype
Share on telegram
Share on whatsapp
Share on email

Deixe um comentário

Você pode gostar também

Sem categoria

Casula evangelistas

No livro do Apocalipse (4,7-9) , fala-se de quatro seres vivos que cercam o trono do Deus Altíssimo: o primeiro ser vivo tinha aspecto de leão, o segundo, de touro,

Leia mais
Sem categoria

O uso do incenso na oração

O que é? O incenso é uma resina de perfume agradável, extraída de certas árvores. É queimado sobre brasa para produzir fumaça e perfume. Às vezes o cheiro do incenso

Leia mais

sobre nós

coleções

pagar

Login

Não encontrou o que estava procurando?

Deixe sua mensagem no formulário e em breve entraremos em contato para te ajudar.

coleções

apostolado litúrgico

Commercial delivery

Produtos

vestuário